///Bula do Botox – Dysport
Bula do Botox – Dysport2019-02-06T16:48:36+00:00

Texto da Bula da toxina Botulínica chamada Dysport.

(Procure para ver a duração estimada pelo fabricante, e os trabalhos mostrando uma possível duração maior que da marca Botox®, como curiosidade)

OU AQUI, um link para o PDF DA BULA DO DYSPORT –
leitura mais fácil no PDF

 

BEAUFOUR IPSEN FARMACÊUTICA LTDA.
E
SCRITÓRIO
Av. Eng. Luiz Carlos Berrini, n° 1.297, cj. 61 – Cidade Monções
04571-010 São Paulo – SP – Brasil
DYSPORT®
toxina botulínica A
Pó liófilo injetável 300 U
Pó liófilo injetável 500 U

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
DYSPORT®
toxina botulínica A
RESERVADO PARA USO HOSPITALAR OU CLÍNICA MÉDICA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.
DYSPORT
® somente deverá ser aplicado por especialistas experientes que tenham recebido orientação e
treinamento para sua aplicação.
APRESENTAÇÕES
Pó liófilo injetável 300 U. Embalagem contendo 1 ou 2 frascos-ampola.
Pó liófilo injetável 500 U. Embalagem contendo 1 ou 2 frascos-ampola.
USO INTRAMUSCULAR OU SUBCUTÂNEO
USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS DE IDADE
COMPOSIÇÃO
Cada frasco-ampola de DYSPORT® 300 U contém:
toxina botulínica A ……………………………………… 300 U*
(Complexo toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium botulinum)
Excipientes: solução de albumina humana 20% e lactose.
Cada frasco-ampola de DYSPORT
® 500 U contém:
toxina botulínica A ……………………………………… 500 U*
(Complexo toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium botulinum)
Excipientes: solução de albumina humana 20% e lactose.
*As doses foram definidas em unidades Speywood. Uma unidade (U) é definida como a dose letal
intraperitoneal média (DL
50) em camundongos. O frasco de Dysport® 500 U contém 4,35 ng de BoNT-A 1,2,3,
também chamada de carga protéica (a quantidade de neurotoxina efetivamente presente por frasco). Sendo
assim, uma unidade (U) Speywood equivale a 0,0087 ng de toxina. Ou invertendo-se a proporção, cada
nanograma de neurotoxina equivale à aproximadamente de 115 U Speywood.
ATENÇÃO: As unidades de DYSPORT® (unidades Speywood) são específicas para a preparação e não são
intercambiáveis com outras preparações de toxina botulínica A.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
1. INDICAÇÕES
DYSPORT® está indicado para o tratamento de:
 distonia cervical / torcicolo espasmódico;
 blefaroespasmo;
 espasmo hemifacial;
 hiperidrose axilar e palmar em adultos;
 linhas faciais hiperfuncionais, incluindo linhas glabelares ou latero-cantais;
 espasticidade de membros superiores e/ou inferiores, em pacientes adultos pós-AVC;
 deformidade em pé equino espástico, em pacientes adultos com espasticidade pós-AVC;
 deformidade em pé equino dinâmico, em pacientes pediátricos portadores de paralisia cerebral, com
capacidade de deambulação (e idade superior a dois anos).
2. RESULTADOS DE EFICÁCIA
DYSPORT® (toxina botulínica A) possui extensa literatura sobre suas aplicações terapêuticas. Representa recurso
inestimável no tratamento da espasticidade, e das limitações e dor que acompanham o quadro clínico, incluindo os
casos pediátricos de deformidade em pé equino dinâmico. É recurso amplamente documentado na terapia da
hiperidrose e das linhas faciais hiperfuncionais, com poucos eventos adversos. Tem boa duração de ação, com efeitos
reversíveis. Embora método simples, requer domínio técnico.
A toxina botulínica A (BoNT-A) tem sido considerada como tratamento de escolha do
torcicolo espasmódico
(distonia cervical)
. Os resultados dos estudos clínicos com DYSPORT®, envolvendo mais de 1.000 pacientes,
mostram que houve uma redução máxima na dor intensa ou moderada de até 73%, nos grupos tratados com até 1.000
U, comparado com 33% de resposta com placebo. Um estudo duplo-cego comparativo com triexifenidil
4 mostrou
que todos os pacientes tratados com DYSPORT
® apresentaram melhora, com resultados significantemente melhores
que os pacientes tratados com triexifenidil, nas escalas Tsui (p<0,001) e Toronto Westerns (TWSTRS) (p<0,01). Um
estudo duplo-cego, randomizado, cruzado comparou DYSPORT
® e outra BoNT-A (usando fatores de conversão 1:3
e 1:4) utilizando os escores de Tsui e de TWSTRS, tendo os resultados mostrado que DYSPORT
® foi
significantemente mais eficaz, tanto na melhora da distonia cervical quanto na dor, com um efeito mais duradouro,
embora apresentasse uma incidência um pouco maior de eventos adversos.
5,6 Jankovic J (2006) 7, em um estudo de
revisão e de atualização, concluiu que a BoNT-A preveniu contraturas e outras complicações da doença, como
alterações degenerativas secundárias da coluna cervical e radiculopatias. Em longo prazo (pacientes tratados por até
20 anos), a duração da resposta se manteve, com mínimo risco de imunorresistência por anticorpos.
Como ocorre com o torcicolo espasmódico, a BoNT-A vem sendo utilizada com sucesso no tratamento de
blefaroespasmo e espasmo hemifacial, com boa eficácia e segurança. Em um conjunto de 12 estudos clínicos, 875
pacientes com blefaroespasmo e 507 com espasmo hemifacial receberam DYSPORT
®, por até 16 cursos de
tratamento, durante 3 a 4 anos. Em
blefaroespasmo, houve melhora completa ou parcial em 91% dos pacientes; com
duração do efeito consistente por 10-11 semanas. No
espasmo hemifacial, verificou-se redução de 75% nos
movimentos anormais, que duraram em média 15 semanas. Truong D e cols. (2008)
8 analisaram, em estudo
multicêntrico, randomizado de larga escala, os efeitos do DYSPORT
® (40, 80, 120 U/olho) no blefaroespasmo
essencial benigno bilateral, com melhora dos danos funcionais e redução da frequência e da intensidade dos
espasmos faciais,
versus grupo controle. Em nosso meio, Schellini AS e cols. (2006) 9 relataram melhora
significativa do espasmo hemifacial e do blefaroespasmo em 91% dos pacientes (p<0,0001). A maioria dos pacientes
não apresentou reações adversas. Lasalvia CGG e cols. (2006) analisaram os custos do tratamento do blefaroespasmo

essencial benigno (BEB) e do espasmo hemifacial (EH) com DYSPORT® e concluíram que o procedimento possui
excelente custo-benefício e promove melhora funcional significativa. O tratamento com a BoNT-A também melhora
significativamente a qualidade de vida e reduz a intensidade dos sintomas de depressão, no blefaroespasmo.
10,11
Na hiperidrose palmar primária, um estudo duplo-cego, randomizado, comparativo de DYSPORT® com outra
BoNT-A, por via intradérmica, mostrou melhor performance de DYSPORT
® no controle da sudorese (teste de
Minor) em relação à basal (-78,6%; p=0,0002) do que a outra BoNT-A (-56,6%; p=0,003) ao final do mês 1. Ao final
do mês 3, os resultados permaneceram significantes (DYSPORT
®-69,4% vs. basal; outra BoNT-A -48,8% vs. basal).
A duração dos efeitos positivos foi similar nos dois grupos: 17 semanas com DYSPORT
® e 18 semanas com a outra
BoNT-A. Os eventos adversos locais foram mais frequentes com DYSPORT
®. 12 Talarico-Filho S e cols. (2007) 13
compararam DYSPORT® e outra BoNT-A (fator de conversão de 1:3) na hiperidrose axilar primária em um estudo
duplo-cego, randomizado. Cada paciente recebeu 150 U de DYSPORT
® em uma axila e 50 U de outra BoNT-A na
axila contralateral, sendo quantificada a sudorese pelo teste de Minor e gravimetria nos dias 0 e 15, ao final de 1 mês
e de 1 ano. Após 1 mês, a taxa de sudorese foi reduzida em média de 97,7% para BoNT-A e de 99,4% para
DYSPORT
®, sem diferença estatística. A duração dos benefícios foi em média de 260 dias para a BoNT-A e de 290
dias para DYSPORT
®. Resultados similares foram reportados por outros pesquisadores.
Uma revisão sobre o uso da BoNT-A na
espasticidade, 14 abrangendo 50 estudos duplo-cegos e 150 estudos abertos,
verificou que a toxina é parte importante do tratamento, além de segura e bem tolerada. Observou-se melhora dos
movimentos ativos e passivos em 70 e 76% dos casos, respectivamente. A melhora funcional causada pela injeção é
mais provável nos pacientes com alguma preservação do binômio musculatura agonista/antagonista. Os efeitos
duram de 3 a 9 meses. As vantagens da injeção intramuscular de BoNT-A para o tratamento da espasticidade
incluem ausência de comprometimento sensorial, capacidade de atingir grupamentos musculares específicos,
controle gradual destes músculos e poucos efeitos adversos. A média de eficácia em tratamentos prolongados foi de
65%, embora condições específicas como distonia focal de mãos demonstrem eficácia média de 83,5%. A melhora
da dor, independente da função motora, foi reportada em 82,7% dos pacientes.
Na deformidade em
pé equino dinâmico por espasticidade, em pacientes pediátricos com paralisia cerebral e
deambulantes, DYSPORT
® deve ser reservado a crianças maiores de 2 anos de idade e a centros hospitalares
especializados, com equipe treinada. A redução do tônus ocorre, geralmente, dentro de 3 dias, e persiste por 2-4
meses. São apontadas melhoras relevantes e duradouras quando a aplicação da BoNT-A é associada a outros
tratamentos, como a fisioterapia.
O uso de BoNT-A para
rejuvenescimento facial é um dos procedimentos mais comuns em medicina estética. De
modo global, a experiência clínica e os estudos clínicos têm confirmado sua eficácia e segurança em longo prazo. É
recomendável bom conhecimento da anatomia, técnicas, um plano terapêutico individualizado e eventual uso de
eletromiografia (ENMG), para se obter maior eficácia. Nas
linhas hiperfuncionais, a BoNT-A inibe a exocitose da
acetilcolina por 3 a 12 meses, dependendo do tecido alvo. Baixas doses de toxina são usadas para suavizar as linhas
faciais hipercinéticas; isto é especialmente útil no terço superior da face. Blitzer A e cols. (1997)
15 verificaram, em
um estudo com 210 sítios faciais hiperfuncionais e 162 pacientes, que o efeito da toxina foi notado 24 a 72 horas
após a injeção (com 95% de melhora cosmética) e persistiu por 3 a 6 meses. Bulstrode e Grobbelaar (2002),
16 em
um estudo prospectivo em pacientes com linhas hiperfuncionais com um seguimento de um a três anos,
demonstraram intervalos ideais de 3 a 6 meses. Os resultados de um estudo do uso de BoNT-A como tratamento das
linhas verticais periorais mostraram a suavização destas linhas, preenchimento/eversão dos lábios, e que 72% dos
pacientes continuaram o tratamento.
17 O rejuvenescimento da pele do pescoço com a aplicação de BoNT-A é uma
modalidade de tratamento minimamente invasiva, segura e eficaz, sendo alternativa ideal à ritidectomia (Brandt e
Boker, 2004).
18 Além disso, a toxina pode ser usada para corrigir o chamado “sorriso gengival”, bem como a
assimetria do maxilar e da linha plastimal após ritidectomia.
As referências bibliográficas estão relacionadas ao final dessa bula.
3. CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
PROPRIEDADES FARMACODINÂMICAS
Grupo farmacoterapêutico: Relaxantes Musculares de Ação Periférica. Código ATC: M03AX01.
A toxina botulínica A (ou BoNT-A) é uma endotoxina produzida por esporos germinativos e células em
crescimento da bactéria
Clostridium botulinum. É um dos sete tipos imunologicamente distintos de neurotoxinas –
e um dos mais potentes.
DYSPORT
® (toxina botulínica A) é um complexo de toxina-hemaglutinina botulínica tipo A isolada e purificada
de culturas de
Clostridium botulinum. A hemaglutinina é uma proteína pesada, que estabiliza a toxina e que não
possui efeito terapêutico. A BoNT-A é uma proteína composta de uma cadeia pesada e uma cadeia leve, ligadas
através de ligações dissulfídicas (S-S). Liga-se às terminações pré-sinápticas do sistema nervoso central e inibe a
liberação de acetilcolina mediada pelo íon cálcio dos nervos motores, levando a uma
paralisia flácida dos
músculos afetados. Após injeção intramuscular ou subcutânea, não se espera a sua presença no sangue periférico
em níveis mensuráveis. As quantidades de neurotoxina administradas em cada sessão terapêutica não resultam,
normalmente, em manifestações clínicas sistêmicas à distância, como fraqueza muscular, em pacientes sem outra
disfunção neuromuscular.
MODO DE AÇÃO
A toxina botulínica A (ou BoNT-A) é classificada como agente paralisante da função neuromuscular. O complexo
toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium botulinum bloqueia a transmissão periférica colinérgica na junção
neuromuscular através da ação pré-sináptica, em sítio proximal à liberação de acetilcolina. A toxina age dentro
dos terminais nervosos, antagonizando eventos que são mediados pelo Ca
2+, e que culminam na liberação do
transmissor. A BoNT-A não afeta a transmissão pós-ganglionar colinérgica ou simpática.
A ação da toxina inicia-se por rápida e intensaligação à membrana do neurônio pré-sináptico. A seguir, ocorre o
processo de internalização, em que a toxina atravessa a membrana pré-sináptica, ainda sem causar paralisia.
Finalmente, a toxina inibe a liberação de acetilcolina, mediada pelo Ca
2+, diminuindo assim o potencial final da
placa e provocando a paralisia.
A recuperação da transmissão do impulso ocorre gradualmente quando novos terminais nervosos se desenvolvem
e é restabelecido contato com a placa motora – um processo que requer de 6 a 8 semanas em modelos animais.
No tratamento das linhas glabelares, o efeito clínico se desenvolve 48 horas após a aplicação. O efeito máximo
ocorre um mês após a aplicação e o tempo de ação varia de 3 a 7 meses aproximadamente. Os resultados dos
estudos clínicos incluindo quatro duplo-cegos, controlados com placebo, demonstraram consistentemente a
eficácia de DYSPORT
® na redução da intensidade das linhas glabelares.
PROPRIEDADES FARMACOCINÉTICAS
Estudos farmacocinéticos com BoNT-A, em modelos animais, apresentam dificuldades de realização devido à alta
potência, às pequenas doses envolvidas, ao elevado peso molecular do composto (150 kDa) e à dificuldade de marcar
a toxina para produzir uma atividade específica suficientemente elevada. Estudos usando toxina marcada com I
125
mostraram que a ligação ao receptor é específica e saturável, e a alta densidade dos receptores da toxina é um fator
que contribui para sua potência elevada. Estudos em macacos demonstraram que, em doses baixas, houve início
de efeito entre 2 e 3 dias, observando-se efeito máximo 5 a 6 dias após a injeção. A duração da ação, medida
através de alterações do alinhamento ocular e da paralisia muscular, variou entre 2 semanas e 8 meses. Este
modelo é observado também no homem, sendo atribuído ao processo de ligação, internalização e mudanças na
junção neuromuscular.
4. CONTRAINDICAÇÕES
DYSPORT® está contraindicado para indivíduos com hipersensibilidade conhecida à toxina botulínica A ou a
qualquer outro componente da formulação.
Este medicamento é contraindicado para menores de 2 anos de idade.
5. ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES
As unidades de DYSPORT
® (unidades Speywood) são específicas para a preparação e não são
intercambiáveis com outras preparações de toxina botulínica A.
Proporcionalidade: tal como se aplica aos agentes biológicos em geral, não é possível estabelecer com exatidão
uma proporcionalidade entre as diferentes neurotoxinas botulínicas (BoNT-A) comercializadas. Como as
apresentações comerciais de BoNT-A têm diferentes dimensões, pesos moleculares, envoltórios protéicos, formas
de armazenamento, diluição, comportamento farmacocinético e doses de administração, as unidades são
específicas para cada toxina, e expressam unidades de potência específicas de cada preparação. Evidências atuais
sugerem que a proporcionalidade convencionalmente empregada no passado para a BoNT-A 500 U Speywood
(na razão de 3:1 ou maior) possa ser inadequada e excessiva, porquanto motivada por estudos com amostras
populacionais não significativas, e que proporcionalidades entre 1,5 e 2,5:1 poderiam ter maior respaldo clínico.
Ademais, evidências recentes sugerem maior duração de efeitos para a apresentação de BoNT-A de 500 U – ainda
demandando estudos de porte. O consenso atual é que as apresentações comercialmente disponíveis não são
comparáveis por qualquer algoritmo específico, e que o escrutínio médico e a resposta clínica individual devem
orientar a terapêutica (Karsai, 2010; Wohlfarth, 2009; Wohlfarth, 2008; Hexsel, 2008; Marchetti, 2005).
19-25
A eficácia e a segurança de DYSPORT® dependem do armazenamento adequado do medicamento, seleção correta
da dose e técnicas apropriadas de reconstituição e administração.
A reconstituição somente deve ser feita com
solução salina a 0,9% (soro fisiológico).
Uma avaliação cautelosa deve ser feita antes de nova aplicação em pacientes que apresentaram reação alérgica
prévia. Os riscos de nova reação alérgica devem ser avaliados frente aos benefícios esperados para o tratamento.
Como qualquer outro medicamento de origem biológica, a aplicação de DYSPORT
® pode provocar reações
anafiláticas. Por isso, devem estar disponíveis as medicações para combatê-las.
Foram relatados eventuais efeitos adversos resultantes da distribuição dos efeitos da toxina para locais distantes
do local de administração. Os pacientes tratados com doses terapêuticas podem apresentar fraqueza muscular
excessiva. O risco de ocorrência de tais efeitos indesejáveis pode ser reduzido não se excedendo a dose
recomendada e pelo uso da menor dose eficaz.
DYSPORT
® deve ser usado com cautela e sob cuidadosa supervisão em pacientes com evidências sub-clínicas ou
clínicas de deficiência na transmissão neuromuscular (
e.g. miastenia grave). Tais pacientes podem apresentar
sensibilidade aumentada a agentes como toxina botulínica A, que pode resultar em fraqueza muscular excessiva.
DYSPORT
® deve ser administrado com cautela a pacientes com problemas respiratórios ou de deglutição, pois
estes problemas podem piorar se a toxina atingir os músculos relevantes. Broncoaspiração ocorreu em raros casos,
e é um risco em pacientes portadores de patologia respiratória crônica. Nesses pacientes, o tratamento deve ser
administrado sob o controle de um especialista e apenas se o benefício esperado para o tratamento superar o risco.
Os pacientes e seus cuidadores devem ser alertados sobre a necessidade de tratamento médico imediato em caso
de problemas respiratórios, de deglutição ou fala.
Foram relatados casos muito raros de óbito, ocasionalmente num contexto de disfagia, pneumopatia e/ou em
pacientes com astenia significativa, após o tratamento com toxina botulínica A ou tipo B.
Para o tratamento de pacientes com paralisia cerebral, DYSPORT
® somente deve ser usado a partir de 2 anos de
idade. A posologia e a frequência de administração recomendadas para DYSPORT
® não devem ser ultrapassadas.
Raramente, foi observada a formação de anticorpos contra a toxina botulínica, em pacientes em uso de
DYSPORT
®. Clinicamente, a existência de quantidades significativas de anticorpos neutralizantes pode ser
presumida pela deterioração substancial da resposta terapêutica e/ou pela necessidade constante de aumento das
doses.
Os médicos que fizerem uso de DYSPORT
® em seus pacientes devem conhecer profundamente a anatomia e a
fisiologia neuromuscular, bem como estar a par de quaisquer alterações anatômicas que potencialmente podem
ocorrer após procedimentos cirúrgicos anteriores. Devem conhecer também técnicas-padrão de eletromiografia
(ENMG).

É essencial conhecer a anatomia facial do paciente antes de administrar DYSPORT® para correção de linhas
glabelares. Deve ser considerada a possibilidade de assimetria facial, ptose, dermatocalasia excessiva, cicatrizes,
bem como quaisquer alterações em relação a essa anatomia como um resultado de intervenções cirúrgicas prévias.
Os pacientes a serem tratados quanto a linhas hiperfuncionais na região glabelar devem ser cuidadosamente
avaliados e desencorajados a prosseguir com o tratamento, caso as linhas hiperfuncionais não sejam causadas pela
contratura dos músculos subjacentes.
Recomenda-se que o frasco-ampola de DYSPORT
® seja usado para tratar um único paciente, durante uma única
sessão. Qualquer resíduo remanescente do produto que não tenha sido utilizado deve ser descartado. Precauções
específicas devem ser tomadas para o preparo e a administração do produto, a inativação e o descarte de qualquer
solução reconstituída não utilizada.
Tal como outras toxinas botulínicas, este produto contém uma pequena quantidade de albumina humana. O risco
de transmissão de infecção viral não pode ser excluído com absoluta certeza, no caso do uso de sangue humano ou
derivados.
Nos casos de hiperidrose, antes de se iniciar o tratamento, deve-se considerar causas secundárias, como
menopausa, obesidade, uso de drogas (
e.g. antidepressivos), distúrbios endócrinos (e.g. hipoglicemia,
hipertiroidismo, feocromocitoma), distúrbios neurológicos que envolvem desregulação autonômica, e
psiquiátricos, como a fobia social.
O uso de DYSPORT
® em pacientes com insuficiência hepática ou renal não costuma demandar redução de dose.
Como qualquer injeção intramuscular, DYSPORT
® deve ser usado somente quando estritamente necessário, em
pacientes com tempo de sangramento prolongado, ou infecção ou inflamação local sobre a área a ser injetada.
Cuidados especiais devem ser tomados nos pacientes portadores de coagulopatia ou em uso de anticoagulantes.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir e usar máquinas: há um risco potencial de fraqueza muscular ou
distúrbios visuais que, se ocorrer, pode temporariamente prejudicar a capacidade de dirigir ou de operar máquinas.
Gravidez e lactação:
Categoria de risco na gravidez C – Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas, sem
orientação médica ou do cirurgião-dentista
.
Existem dados de segurança limitados quanto ao uso do complexo toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium
botulinum
em mulheres grávidas. Estudos em animais não indicam efeitos prejudiciais, diretos ou indiretos,
durante a gravidez, desenvolvimento embrionário/fetal, parto ou desenvolvimento pós-natal, a não ser os
relacionados com a intoxicação materna causada por altas doses.
DYSPORT
® só deve ser usado por mulheres grávidas se o beneficio esperado do tratamento justificar qualquer
risco potencial ao concepto. A prescrição a mulheres grávidas deve ser feita com extrema cautela.
Não se sabe se o complexo toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium botulinum é excretado através do leite
humano. Não foi estudada a excreção deste complexo através do leite, em animais. Não é recomendado o uso
durante a lactação.
Dados de segurança pré-clínica:
Os estudos de toxicidade reprodutiva em ratos e coelhos tratados com complexo toxina-hemaglutinina tipo A de
Clostridium botulinum – através de uma injeção intramuscular diária, em doses de 79 unidades/kg e 42
unidades/kg (em ratos e coelhos, respectivamente), não resultaram em toxicidade embrionária/fetal. Foi observada
toxicidade materna grave, associada à perda do implante embrionário, com doses mais elevadas, em ambas as
espécies. O complexo não demonstrou nenhuma atividade teratogênica, em ratos e coelhos, e nenhum efeito foi
observado no pré- e pós-natal na geração F1 de ratos. A fertilidade dos machos e fêmeas foi comprometida devido
à redução do acasalamento, secundária à paralisia muscular, em doses elevadas.
Em um estudo de toxicidade crônica realizado em ratos com até 12 unidades/animal, não houve evidência de
toxicidade sistêmica. Efeitos na reprodução e na toxicidade crônica dos estudos não clínicos limitaram-se a
alterações nos músculos injetados, em linha com o mecanismo de ação do complexo.

Não houve irritação ocular após a administração do complexo, em olhos de coelhos.
6. INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Os efeitos da toxina botulínica A podem ser potencializados por fármacos que interfiram direta ou indiretamente
com a função neuromuscular e, portanto, tais medicamentos devem ser usados com precaução em pacientes
tratados com toxina botulínica.
A alimentação não interfere nos efeitos de DYSPORT
®.
7. CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO
Cuidados de conservação: Conservar entre +2°C e +8°C (sob refrigeração). Não congelar.
Uma vez que o produto não contém um agente antimicrobiano, sob o ponto de vista microbiológico, é
recomendado que o produto seja usado imediatamente após a reconstituição.
Entretanto, após o preparo, se
mantido sob refrigeração (entre +2°C e +8°C), o produto mantêm sua estabilidade por até 24 horas.
O
medicamento reconstituído não deve ser congelado. Recomenda-se que o batoque do frasco de DYSPORT
® seja
perfurado apenas uma vez, pois este componente não foi projetado para penetrações repetidas da agulha.
Prazo de validade: 24 meses contados a partir da data de fabricação.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
Características físicas e organolépticas: Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
DYSPORT® é apresentado como um pó liófilo branco, cujos grânulos são sólidos, uniformes e sem corpos
estranhos. Após reconstituição com solução salina 0,9% (soro fisiológico) obtém-se um líquido claro e incolor.
O frasco-ampola de DYSPORT
® não contém vácuo, apenas um gradiente diferencial de pressão mínimo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
8. POSOLOGIA E MODO DE USAR
As unidades Speywood são exclusivas para DYSPORT
® e não são intercambiáveis com outras
preparações contendo toxina botulínica.
Vias de administração:
Intramuscular ou subcutânea. O uso de outra via de administração que não seja a
intramuscular ou subcutânea poderá causar transtornos neuromusculares graves.
DYSPORT
® deverá ser reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico), conforme descrito nas Tabelas
de Diluição abaixo, de acordo com a técnica do profissional e a clínica do paciente.
Tabela de Diluição de
DYSPORT® 300 U e concentrações resultantes:

Volume de Diluição (300 U) Concentração (U/0,1 mL)
0,6 mL 50 U/ 0,1 mL
1,0 mL 30 U/ 0,1 mL
1,2 mL 25 U/ 0,1 mL
1,5 mL 20 U/ 0,1 mL
2,0 mL 15 U/ 0,1 mL
3,0 mL 10 U/ 0,1 mL

Tabela de Diluição de DYSPORT® 500 U e concentrações resultantes:

Volume de Diluição (500 U) Concentração (U/0,1 mL)
1,0 mL 50 U/ 0,1 mL
2,0 mL 25 U/ 0,1 mL
2,5 mL 20 U/ 0,1 mL
3,0 mL 16,6 U/ 0,1 mL

a) Espasticidade de membros inferiores (incluindo pós-AVC)
Posologia: A dose recomendada é de até 1.500 unidades Speywood no total, distribuídas entre os músculos
gastrocnêmio e sóleo, embora injeções no músculo tibial posterior e outros também possam ser consideradas. A
dose máxima administrada não deve exceder 1.500 unidades.
O uso da eletromiografia (ENMG) não é rotineiro, mas pode ajudar na identificação dos músculos mais afetados.
A dose inicial deve ser reduzida se houver evidências que sugiram risco de fraqueza excessiva dos músculos alvo,
como por exemplo, pacientes em que os músculos alvo são pequenos ou em que foram administradas injeções em
outros grupos musculares.
A melhora clínica pode ser esperada dentro de duas semanas após o tratamento. As injeções podem ser repetidas a
intervalos aproximados de 16 semanas, ou conforme necessário para manter resposta adequada, mas não mais
frequentemente do que a cada 12 semanas.
Crianças: A segurança e a eficácia de DYSPORT® no tratamento da espasticidade de membros inferiores pósAVC não foram demonstradas em crianças.
Método de administração: No tratamento da espasticidade de membros inferiores pós-AVC, DYSPORT® deverá
ser reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por
injeção intramuscular. A tabela a seguir exemplifica doses para outros grupos musculares, se clinicamente
adequado:
Doses usuais de DYSPORT® injetadas em músculos dos membros inferiores
[Essas doses podem ser diminuídas ou aumentadas em função dos fatores já mencionados]
Músculo Doses DYSPORT® Pontos de Aplicação
Paravertebral Lombar 150 – 600 U 2 – 6
Glúteo Mínimo 120 – 180 U 1
Adutores da Coxa 150 – 500 U 2 – 6
Reto Femoral 90 – 300 U 1 – 3
Isquiotibiais 150 – 400 U 2 – 6
Gastrocnêmio 150 – 600 U 2 – 4
Sóleo 100 – 300 U 1 – 2
Tibial Posterior 90 – 180 U 1 – 2
Flexor Longo dos Artelhos 90 – 120 U 1 – 2
Flexor Curto dos Artelhos 60 – 100 U 1
Flexor Longo do Hálux 60 – 150 U 1
Flexor Curto do Hálux 30 – 90 U 1
b) Espasticidade de membros superiores (incluindo pós-AVC)
Posologia: A dose recomendada é de até 1.000 unidades Speywood, distribuídas entre os cinco músculos a seguir:
flexor profundo dos dedos (FDP), flexor superficial dos dedos (FDS), flexor ulnar do carpo (FCU); flexor radial
do carpo (FCR) e bíceps braquial (BB). A dose máxima administrada não deve exceder 1.000 unidades.
Os pontos de aplicação devem ser idealmente definidos por eletromiografia (ENMG), embora a exata localização
dos pontos possa ser determinada por apalpação.
Todos os músculos, exceto o bíceps braquial (BB) podem ser injetados em um único ponto. O bíceps, porém, pode
ser injetado em dois pontos. A distribuição da dose recomendada (em unidades Speywood) está relacionada
abaixo:

BB
300 – 400
FDP FDS FCU FCR Total
150 150 – 250 150 150 1.000

A dose inicial deve ser reduzida se houver evidências que sugiram risco de fraqueza excessiva dos músculos alvo,
como por exemplo, pacientes em que os músculos alvo são pequenos ou em que foram administradas injeções em
outros grupos musculares. A melhora clínica pode ser esperada dentro de duas semanas após a injeção. As
injeções podem ser repetidas aproximadamente a cada 16 semanas ou conforme necessário para manter uma
resposta, mas não mais frequentemente do que a cada 12 semanas.
Crianças: A segurança e a eficácia de DYSPORT® no tratamento da espasticidade de membros superiores pósAVC não foram demonstradas em crianças.
Método de administração: No tratamento da espasticidade de membros superiores pós-AVC, DYSPORT®
deverá ser reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada
por injeção intramuscular. A tabela a seguir exemplifica doses para outros grupos musculares, se clinicamente
adequado:
Doses usuais de DYSPORT® injetadas em músculos dos membros superiores
[Essas doses podem ser diminuídas ou aumentadas em função dos fatores já mencionadoss]
Músculo Doses DYSPORT® Pontos de Aplicação
Grande Dorsal 150 – 300 U 2 – 3
Peitoral Maior* 150 – 300 U 1 – 2
Redondo Maior 90 – 150 U 1
Redondo Menor* 60 – 120 U 1
Deltóide* 120 – 180 U 1
2
Bíceps Braquial 150 – 300 U 2
4
Tríceps Braquial 100 – 300 U 2
3
Braquiorradial 60 – 180 U 1
Pronador Redondo 90 – 180 U 1
Pronador Quadrado 60 – 90 U 1
Flexor Ulnar do Carpo 30 – 120 U 1
2
Extensor do Punho* 30 – 100 U 1
2
Flexor Radial do Carpo 60 – 180 U 1
2
Palmar Longo* 60 – 150 U 1 2
Flexor Superficial dos Dedos 30 – 120 U 1
2
Flexor Profundo dos Dedos 30 – 90 U 1
2
Flexor Longo do Polegar 20 – 70 U 1
Oponente do Polegar 30 – 60 U 1
Adutor do Polegar 30 – 60 U 1
Intrínsecos da Mão
(Lumbricais
por músculo)
15 – 20 U 1
*
Músculos pouco injetados.
c) Espasticidade na paralisia cerebral pediátrica
Posologia: A dose inicial recomendada é de 20 unidades Speywood/Kg de peso corpóreo, em doses divididas
pelos músculos das panturrilhas. Se apenas uma panturrilha estiver afetada, pode ser usada uma dose de 10
unidades/kg de peso corpóreo. Deve-se considerar a redução da dose inicial se houver evidências que sugiram que
esta dose possa provocar uma fraqueza excessiva dos músculos alvo, como por exemplo, pacientes em que os
músculos alvo são pequenos ou em que foram administradas injeções em outros grupos musculares. Após a
avaliação da resposta à dose inicial, a dose subsequente pode ser titulada na faixa de 10 a 30 unidades/kg,
divididas entre ambos os membros inferiores. A dose total máxima administrada não deve exceder 1.000
unidades/ paciente, em pediatria.
O uso da eletromiografia (ENMG) não é rotineiro, mas pode ajudar na identificação dos músculos mais afetados.
A melhora clínica pode ser esperada dentro de duas semanas após a injeção. As injeções podem ser repetidas
aproximadamente a cada 16 semanas ou conforme necessário para manter uma resposta – mas não mais
frequentemente do que a cada 12 semanas.
Método de administração: No tratamento da espasticidade parcial da paralisia cerebral pediátrica, DYSPORT®
deverá ser reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser
administrada por injeção intramuscular.
d) Distonia cervical / Torcicolo espasmódico
Posologia: As doses recomendadas para torcicolo são aplicáveis a adultos de todas as idades, desde que com peso
normal e sem nenhuma evidência de perda de massa muscular cervical. Uma dose reduzida pode ser apropriada,
se o paciente estiver claramente abaixo do peso ou em idosos, em que casos em que possa existir massa muscular
reduzida.
A dose inicial recomendada para o tratamento de torcicolo espasmódico é de 500 unidades Speywood por
paciente, dividida e administrada nos dois ou três músculos distônicos do pescoço.
Para o torcicolo rotacional, recomenda-se distribuir as 500 unidades, administrando-se 350 unidades no músculo
esplênio da cabeça, ipsilateral à direção da rotação queixo/ cabeça, e 150 unidades no músculo
esternocleidomastóideo, contralateral à rotação.
Para laterocolo, recomenda-se distribuir as 500 unidades administrando-se 350 unidades no músculo esplênio da
cabeça ipsilateral, e 150 unidades no músculo esternocleidomastóideo. Nos casos associados à elevação do ombro,
os músculos trapézio ipsilateral ou o elevador da escápula podem também requerer tratamento, de acordo com a
hipertrofia do músculo ou com a eletromiografia (ENMG). Quando forem necessárias injeções em três músculos,
recomenda-se distribuir as 500 unidades como a seguir: 300 unidades no esplênio da cabeça, 100 unidades no
esternocleidomastóideo e 100 unidades no terceiro músculo.

Para retrocolo, recomenda-se distribuir as 500 unidades, administrando-se 250 unidades em cada um dos
músculos esplênios da cabeça. Isto pode ser seguido por injeções bilaterais no trapézio (até 250 unidades por
músculo) após 6 semanas, se a resposta for insuficiente. As injeções bilaterais no esplênio podem aumentar o risco
de fraqueza muscular do pescoço.
Todas as outras formas de torcicolo são altamente dependentes de conhecimento especializado e uso da ENMG
para identificar e tratar os músculos mais afetados. A ENMG deve ser usada como diagnóstico em todas as formas
complexas de torcicolo, quando não ocorrerem os resultados esperados, em casos não complexos, e para orientar
injeções nos músculos profundos, em pacientes com sobrepeso, nos quais os músculos do pescoço são difíceis de
individualizar.
Na administração subsequente, as doses podem ser ajustadas de acordo com a resposta clínica e os efeitos
adversos observados. São recomendadas doses na faixa de 250 a 1.000 unidades, embora doses mais elevadas
possam ser acompanhadas por um aumento de reações adversas, particularmente disfagia. Não são recomendadas
doses acima de 1.000 unidades.
As injeções devem ser repetidas aproximadamente a cada 16 semanas, ou de acordo com o necessário para evitar a
recidiva dos sintomas, mas não mais frequentemente do que a cada 12 semanas.
Crianças: A segurança e a eficácia de DYSPORT® no tratamento do torcicolo espasmódico não foram
demonstradas em crianças.
Método de administração: No tratamento do torcicolo espasmódico, DYSPORT® deverá ser reconstituído com
solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por injeção intramuscular.
e) Blefaroespasmo e espasmo hemifacial
Posologia: Adultos e idosos: No tratamento do blefaroespasmo bilateral, a dose inicial recomendada é 120
unidades Speywood por região ocular.
Injeções de 20 unidades devem ser aplicadas medialmente, e de 40 unidades devem ser aplicadas lateralmente na
junção entre as regiões pré-septal e orbital de ambos os músculos orbiculares superiores e inferiores de cada olho.
Para injeções na pálpebra superior, a agulha deve ser direcionada para fora de seu centro, para evitar o músculo
elevador. Um diagrama para ajudar na aplicação destas injeções é fornecido a seguir. O alívio dos sintomas pode
ser esperado dentro de dois a quatro dias, com o efeito máximo dentro de duas semanas.
As injeções devem ser repetidas a intervalos aproximados de 12 semanas, ou conforme o necessário para evitar
recidiva dos sintomas. Em tais administrações subsequentes, pode ser necessário reduzir a dose para 80 unidades
por olho – a saber: 20 unidades medialmente e 20 unidades lateralmente acima e abaixo de cada olho da maneira
previamente descrita. A dose pode ser posteriormente reduzida para 60 unidades por olho, mediante a supressão
da injeção medial inferior.
Nos casos de blefaroespasmo unilateral, as injeções devem ser restritas ao olho afetado. As doses recomendadas
são aplicáveis aos adultos de todas as idades incluindo os idosos. Pacientes com espasmo hemifacial devem ser
tratados tal como no blefaroespasmo unilateral.

Crianças: A segurança e a eficácia de DYSPORT® no tratamento da blefaroespasmo e espasmo hemifacial não
foram demonstradas em crianças.
Método de administração: No tratamento do blefaroespasmo e espasmo hemifacial, DYSPORT® deverá ser
reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por
injeção subcutânea medial e lateralmente, na junção entre as regiões pré-septal e orbital de ambos os músculos
orbiculares superiores e inferiores dos olhos.
f) Hiperidrose axilar
Posologia: Adultos e idosos: A dose inicial recomendada é de 100 unidades Speywood por axila. Caso o efeito
desejado não seja obtido, podem ser administradas até 200 U por axila em injeções subsequentes. A área a ser
injetada deve ser previamente identificada pelo teste iodo-amido de Minor. Após assepsia local, delimitam-se 10
pontos. São, então, administradas 100 unidades por axila (ou seja, 10 unidades por ponto delimitado), por via
intradérmica. A necessidade de novas aplicações deverá ser determinada em bases individuais, quando a sudorese
excessiva do paciente tiver retornado ao normal, mas não mais frequentemente que a cada 12 semanas. Há
evidências sugerindo um possível efeito cumulativo de doses repetidas, de modo que o intervalo entre cada
tratamento deve ser avaliado individualmente. A dose máxima administrada não deve exceder 200 unidades por
axila.
Crianças: a segurança e a eficácia do uso de DYSPORT® no tratamento da hiperidrose axilar em crianças ainda
não foram demonstradas.
Método de administração: No tratamento de hiperidrose axilar DYSPORT® deverá ser reconstituído com solução
salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por injeção intradérmica, conforme
descrito acima. Via de regra, usam-se agulhas estéreis de calibre 23 ou 25.
g) Hiperidrose palmar
Posologia: Adultos e idosos: Para hiperidrose palmar, a dose total utilizada por palma é de 120 unidades
Speywood, distribuídas em 6 a 25 diferentes pontos de injeção subcutânea, sendo 10 unidades por ponto.
Método de administração: No tratamento de hiperidrose palmar, DYSPORT® deverá ser reconstituído com
solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por injeção intradérmica,
nas áreas hiperidróticas previamente determinadas. Via de regra, usam-se agulhas estéreis de calibre 26. Alguns
estudos não usaram anestesia local prévia, outros usaram resfriamento local da palma, ou bloqueio dos nervos
medial ou ulnar para minimizar a dor.
h) Linhas faciais hiperfuncionais
Para o tratamento de linhas faciais hiperfuncionais, DYSPORT® deverá ser reconstituído com solução salina a
0,9% (soro fisiológico), conforme detalhado nas Tabelas de Diluição apresentadas. O médico deverá julgar a dose
ideal baseando-se na clínica do paciente.
 Linhas glabelares moderadas a graves
Posologia: A dose recomendada é de 50 unidades de DYSPORT®, que deve ser dividida em 5 pontos de
injeção.Dez unidades devem ser administradas por via intramuscular em cada um destes 5 pontos: duas
injeções em cada músculo corrugador e uma injeção no músculo prócero, próxima ao ângulo nasofrontal,
conforme mostrado no diagrama abaixo.

Remover a maquiagem e desinfetar a pele com um antisséptico local. Marcos anatômicos podem ser mais
facilmente identificados se o paciente franzir a testa. Antes da injeção, posicionar o polegar ou indicador
abaixo da margem orbital, a fim de evitar extravasamento para a região abaixo da margem orbital. As injeções
intramusculares devem ser aplicadas perpendicularmente à pele, utilizando uma agulha estéril de calibre 29-30.
A agulha deve ser posicionada de forma ascendente e medialmente durante a injeção. A fim de reduzir o risco
de ptose como complicação, deve ser evitada a injeção próxima ao elevador da pálpebra superior,
particularmente em pacientes com grandes complexos do depressor do supercílio. Injeções no corrugador
lateral devem ser aplicadas ao menos 1 cm acima da crista óssea supra-orbital.
O intervalo entre os ciclos de tratamento depende na resposta individual do paciente. Porém, o intervalo deve
ser de pelo menos 12 semanas.
Crianças: o uso de DYSPORT® não é recomendado para o tratamento de linhas glabelares moderadas a graves
em pacientes com menos de 18 anos de idade.
Método de administração: No tratamento das linhas glabelares moderadas a graves, DYSPORT® deverá ser
reconstituído com solução salina 0,9% (soro fisiológico). A solução reconstituída deve ser administrada por
injeção intramuscular, conforme descrito acima.
 Linhas latero-cantais moderadas a graves
Posologia:
Pacientes com até 50 anos: A dose recomendada é de 30 unidades de DYSPORT® para cada região ocular, e que
deve ser dividida em 3 pontos de aplicação (10 unidades por ponto; dose total de 60 unidades, considerando
ambos os olhos).
Pacientes acima de 50 anos: A dose recomendada é de 45 unidades de DYSPORT® para cada região ocular e que
deve ser dividida em 3 pontos de aplicação (15 unidades por ponto; dose total de 90 unidades, considerando
ambos os olhos).
Todos os pacientes: Remover a maquiagem e desinfetar a pele com um antisséptico local. As injeções
intramusculares no orbicular devem ser aplicadas perpendicularmente à pele.
Em cada um dos 3 pontos devem a serem administradas de 10 unidades (em pacientes com até 50 anos) a 15
unidades (em pacientes com 50 anos ou mais). Os pontos de aplicação devem estar todos a, no mínimo, 1,5 cm do
canto lateral da órbita, e 1 cm acima da borda orbital. Via de regra, usam-se agulhas estéreis de calibre 30. As
localizações precisas dos pontos de aplicação estão indicadas no diagrama abaixo:
Deve-se pedir que o paciente sorria. As injeções devem ser administradas no sentido do extremo exterior das
linhas latero-cantais – em direção lateral, perpendicular às linhas latero-cantais. Deve-se tomar cuidado para evitar
a injeção próxima à margem inferior do músculo zigomático maior. Deve-se advertir o paciente para não esfregar
a área injetada nas 12 horas seguintes ao tratamento.
O intervalo entre os ciclos de tratamento não deve ser menor que 12 semanas.
 Linhas horizontais da região frontal
Posologia:
Adultos e idosos: Recomendam-se 30 a 45 U para tratamento parcial, e de 60 a 80 U para paralisia
total. Uma linha imaginária é traçada horizontalmente através da fronte entre os supercílios e a linha de implante

do cabelo. Via de regra, usam-se agulhas estéreis de calibre 30. Injetam-se 6 U em cada ponto, podendo iniciar na
linha vertical que passa sobre cada pupila. Duas injeções adicionais (mesmas doses) são aplicadas entre estes dois
sítios, de forma que se produzam pelo menos 4 pontos equidistantes nesta linha horizontal. Massagear com
firmeza estes pontos.
De um modo geral, no tratamento de linhas faciais, um efeito significativo tem início dentro de 7 a 14 dias,
atingindo um máximo em um mês e persistindo por 3 a 4 meses após a injeção de DYSPORT
®.
As injeções poderão ser repetidas, de acordo com a resposta clínica, a cada 16 semanas, aproximadamente, sendo
recomendável um intervalo mínimo de 3 meses entre cada aplicação.
Instruções de uso:
A porção central da tampa de borracha deve ser limpa com álcool imediatamente antes de inserir a agulha estéril.
Cada frasco-ampola tem capacidade máxima de 3 mL.
Instruções de descarte:
A toxina botulínica A é muito suscetível ao calor e certos produtos químicos. Qualquer derramamento deve ser
limpo usando um material absorvente embebido em solução de hipoclorito diluída (no caso de produto liofilizado
ou superfície seca) ou com material absorvente seco (no caso de produto reconstituído). Se um frasco-ampola
quebrar, proceder como indicado acima. Recolher cuidadosamente os cacos de vidro e limpar, evitando qualquer
corte na pele. Se o produto entrar em contato com a pele, lavar com solução de hipoclorito diluída e enxaguar
abundantemente com água. Se o produto entrar em contato com os olhos, enxaguar abundantemente com água ou
solução de enxágüe específica para os olhos. Todos os materiais contaminados devem ser devidamente
descartados.
9. REAÇÕES ADVERSAS
As reações adversas e os eventos adversos são classificadas de acordo com a sua freqüência, primeiro as mais
freqüentes, usando os seguintes parâmetros:

Frequência Parâmetros
> 1/10 (> 10%) Muito comum
> 1/100, < 1/10 (> 1% e <10%) Comum (frequente)
> 1/1000, < 1/100 (> 0,1% e <1%) Incomum (infrequente)
> 1/10.000, < 1/1000 (> 0,01% e < 0,1%) Rara
< 1/10.000 (> 0,001%) Muito rara

Gerais
Nos pacientes tratados com DYSPORT® em uma série de estudos clínicos para blefaroespasmo, espasmo
hemifacial, torcicolo espasmódico, espasticidade associada à paralisia cerebral ou AVC, hiperidrose axilar ou
linhas faciais hiperfuncionais, aproximadamente 25% experimentaram um evento adverso.
Reações adversas a DYSPORT
® estão relacionadas, em geral, à fraqueza temporária da musculatura adjacente,
que pode ser minimizada mediante uso das mínimas doses eficazes, nos respectivos grupamentos.
Distúrbios do sistema nervoso
Rara: amiotrofia neurálgica
Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos
Incomum: prurido
Rara: erupções cutâneas
Distúrbios gerais e reações no local de aplicação
Comuns: fraqueza generalizada, fadiga, síndrome gripal, dor/hematoma no local da injeção

Além disso, as seguintes reações adversas específicas para cada indicação foram relatadas:
Espasticidade de membros inferiores pós-AVC
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
adultos tratados com DYSPORT
® para espasticidade de membros inferiores pós-AVC:
Distúrbios gastrointestinais
Comum: disfagia
Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo
Comum: fraqueza muscular nos membros inferiores
Distúrbios urinários e renais
Incomum: incontinência urinária
Distúrbios gerais e reações no local de aplicação
Comum: marcha anormal
Lesão, envenenamento e complicações no procedimento
Comum: lesão acidental/quedas
Espasticidade de membros superiores pós-AVC
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
adultos tratados com DYSPORT
® para espasticidade dos membros superiores pós-AVC:
Distúrbios gerais e reações no local de aplicação
Comum: como esperado para qualquer procedimento de injeção, reações no local da injeção (por
exemplo, dor, eritema, inchaço etc.) têm sido relatados após a administração
Incomum: astenia, fadiga, sintomas de gripe
Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo
Comum: fraqueza muscular
Nos estudos clínicos também foram observados os seguintes efeitos indesejáveis:
Distúrbios gerais e reações no local de aplicação:
distúrbios da marcha, nódoas negras e hemorragia
Distúrbios musculo-esqueléticos e do tecido conjuntivo
dor musculoesquelética, dor nas extremidades
Distúrbios do sistema nervoso
hipertonia
Distúrbios gastrointestinais
disfagia
Espasticidade parcial da paralisia cerebral (PC) pediátrica
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
tratados com DYSPORT
® para espasticidade dos membros inferiores devido à paralisia cerebral pediátrica:
Distúrbios gastrointestinais
Comum: diarreia
Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo

Comum: fraqueza muscular nos membros inferiores
Distúrbios renais e urinários
Comum: incontinência urinária
Distúrbios gerais e reações no local de aplicação
Comum: marcha anormal
Lesão, envenenamento e complicações no procedimento
Comum: lesão acidental/ quedas
Lesão acidental devido à quedas e marcha anormal pode resultar de debilidade original do músculo alvo e/ou de
difusão local de toxina botulínica A para outros músculos envolvidos na angulação/báscula e equilíbrio.
Torcicolo espasmódico
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
tratados com DYSPORT
® para torcicolo espasmódico:
Distúrbios do sistema nervoso
Comuns: cefaléia, vertigem, paralisia facial
Distúrbios oculares
Comuns: visão turva, acuidade visual reduzida
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastínicos
Comuns: disfonia, dispnéia
Distúrbios gastrointestinais
Muito comuns: disfagia, boca seca
Incomum: náusea
Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo
Muito comum: fraqueza muscular
Comuns: dor no pescoço, dor musculo-esquelética, mialgia, dor nas extremidades, endurecimento
muscular, atrofia muscular, distúrbio mandibular
A disfagia parece ser relacionada à dose e foi mais frequente após a injeção no músculo esternocleidomastóideo.
Recomenda-se uma dieta leve, e cuidado com líquidos, até a resolução dos sintomas.
Blefaroespasmo e espasmo hemifacial
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
tratados com DYSPORT
® para blefaroespasmo e espasmo hemifacial:
Distúrbios do sistema nervoso
Comum: fraqueza do músculo facial
Incomum: paralisia facial
Distúrbios oculares
Muito comum: ptose
Comuns: diplopia, secura dos olhos, lacrimejamento
Rara: oftalmoplegia
Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos

Comum: edema palpebral
Rara: entropia
Reações adversas podem ocorrer devido a injeções profundas de DYSPORT
®. Injeções posicionadas
incorretamente podem paralisar (temporariamente) grupos musculares próximos.
Hiperidrose axilar
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
tratados com DYSPORT
® para hiperidrose axilar:
Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos
Comum: sudorese compensatória
Hiperidrose palmar
Podem ocorrer fraqueza dos músculos adjacentes e dor no local da aplicação da injeção.
Tratamento de linhas faciais hiperfuncionais – linhas glabelares moderadas a graves
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados em pacientes
tratados com DYSPORT
® para a correção de linhas glabelares moderadas a graves:
Distúrbios oculares
Comuns: astenopia, ptose, edema palpebral, aumento de lacrimejamento, secura dos olhos, contrações
musculares
Incomuns: perturbações visuais, visão turva, diplopia, distúrbios do movimento ocular
Distúrbios gerais e reações no local de injeção
Muito comum: reações no local da injeção (incluindo dor, ardor, prurido, parestesia, eritema, erupção
cutânea, também frequentemente observadas no grupo placebo)
Distúrbios do sistema imune
Incomum: hipersensibilidade
Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo
Comum: fraqueza do músculo adjacente à área da injeção. Isto pode comumente levar à ptose palpebral,
astenopatia ou, não comumente, à paralisia dos músculos faciais ou distúrbios visuais
Distúrbios do sistema nervoso
Muito comum: cefaléia
Comum: paralisia facial
Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos
Incomuns: erupção cutânea, prurido
Tratamento de linhas faciais hiperfuncionais – linhas latero-cantais moderada a graves
Os seguintes eventos adversos, geralmente de intensidade leve a moderada, foram observados nos pacientes
tratado com DYSPORT
® para a correção de linhas latero-cantais moderadas a graves:
Distúrbios dos olhos
Comum: edema palpebral
Comum: secura dos olhos (ceratoconjuntivite seca)
Distúrbios gerais e reações no local da injeção
Muito comum: reações no local da injeção (incluindo dor, ardor, ferida/hematoma, prurido)

Distúrbios músculo-esqueléticos e do tecido conectivo
Comum: Fraqueza do músculo adjacente à área da injeção. Isto pode comumente levar a ptose palpebral
ou paralisia dos músculos faciais
Distúrbios do sistema nervoso
Comum: dor de cabeça
Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos
Incomum: prurido
Experiência pós-comercialização
O perfil de reações adversas notificadas durante o uso pós-comercialização reflete a farmacologia do produto e
eventos observados durante os ensaios clínicos. Foram relatados casos esporádicos de hipersensibilidade
Muito raramente, foram relatados eventos adversos potencialmente fatais, resultantes da distribuição dos efeitos
da toxina para pontos remotos em relação ao local de injeção (fraqueza muscular excessiva, disfagia, pneumonia
por aspiração).
Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA,
disponível em www.anvisa.gov.br ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.
10. SUPERDOSE
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.
Doses excessivas podem provocar paralisia neuromuscular distante e profunda. Superdose pode levar a um risco
elevado da neurotoxina passar para a corrente sanguínea, causando complicações associadas à intoxicação
botulínica oral (tais como disfagia e disfonia). Suporte respiratório pode ser necessário se doses excessivas
causarem paralisia dos músculos respiratórios. Não há antídoto específico; não se deve esperar que a antitoxina
disponível seja benéfica e cuidados gerais de suporte são recomendados. Em caso de superdose, o paciente deverá
ser monitorado quanto aos sintomas de fraqueza muscular excessiva ou paralisia muscular. Tratamento
sintomático deverá ser associado, se necessário.
Os sintomas de superdose podem não aparecer imediatamente após a injeção. No caso de injeção acidental ou
ingestão oral, o indivíduo deverá ser supervisionado por várias semanas quanto a possíveis sinais e sintomas de
fraqueza muscular excessiva ou paralisia muscular.

DIZERES LEGAIS
MS – 1.6977.0001
Farmacêutica Responsável:
Dra. Marcela Borges
CRF – SP nº 43.243
Importado por:
Beaufour Ipsen Farmacêutica Ltda.
Av. Eng. Luiz Carlos Berrini, 1297 cj 62
04571-010, São Paulo – SP
CNPJ nº 07.718.721/0001-80
Fabricado por:
Ipsen Biopharm Ltd.
Ash Road North, Wrexham – Reino Unido
LL13 9UF
Comercializado por:
Galderma Brasil Ltda.
Rodovia SP 101, Km 9, CEP 13186-904
Hortolândia – SP
CNPJ nº 00.317.372/0004-99
SAC
[email protected]
0800 015 5552
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 24/04/2015.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Panjwani N, O’Keeffe R and Pickett, A. Biochemical, functional and potency characteristics of type A
botulinum toxin in clinical use. The Botulinum J 2008;1(1):153-166.
2. Wortzman MS, Pickett A. The science and manufacturing behind botulinum neurotoxin type A-ABO in
clinical use.
Aesthet Surg J 2009 Nov;29(6):S34-42.
3. Pickett A
et al. The protein load of therapeutic botulinum toxins. European Journal of Neurology 2007,
14:e11.
4. Brans JWM
et al. Botulinumtoxin in cervical dystonias: low dosage with electromyographic. J Neurol
1995;242:529-534.
5. Ranoux D
et al. Respective potencies of Botox and Dysport: a double blind, randomised, crossover study in
cervical dystonia.
J Neurol Neurosurg Psychiatry 2002;72(4):459-462.
6. Poewe W. Respective potencies of Botox and Dysport: a double blind, randomised, crossover study in
cervical dystonia.
J Neurol Neurosurg Psychiatry 2002;72(4):430.
7. Jankovic J. Botulinum toxin therapy for cervical dystonia.
Neurotox Res 2006;9(2-3):145-148.
8. Truong D
et al. Dysport Benign Essential Blepharospasm Study Group. Efficacy and safety of purified
botulinum toxin type A (Dysport for the treatment of benign essential blepharospasm: A randomized,
placebo-controlled, phase II trial.
Parkinsonism Relat Disord 2008;14(5):407-414.
9. Schellini SA
et al. Blefarospasmo essencial e espasmo hemifacial: características dos pacientes, tratamento
com toxina botulínica A e revisão da literatura.
Arq Bras Oftalmol 2006;69(1):23-26.
10. Lasalvia CGG
et al. Custos e eficácia da toxina botulínica tipo A no tratamento do blefaroespasmo essencial
e espasmo hemifacial.
Arq Bras Oftalmol 2006;69(5):701-705.
11. Ochudlo S
et al. Botulinum toxin improves the quality of life and reduces the intensification of depressive
symptoms in patients with blepharospasm.
Parkinsonism Relat Disord 2007;13(8):505-508.
12. Simonetta Moreau M
et al. A double-blind, randomized, comparative study of Dysport vs. Botox in primary
palmar hyperhidrosis.
Br J Dermatol 2003;149(5):1041-1045.
13. Talarico-Filho S
et al. A double-blind, randomized, comparative study of two type A botulinum toxins in the
treatment of primary axillary hyperhidrosis.
Dermatol Surg 2007;33(1 Spec Nº):S44-50.
14.
O’Brien CF. Overview of clinical trials and published reports of botulinum toxin for spasticity. Eur J Neurol
1997;4(Suppl 2):S11.
15. Blitzer A
et al. The management of hyperfunctional facial lines with botulinum toxin. A collaborative study
of 210 injection sites in 162 patients.
Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1997;123(4):389-392.
16. Bulstrode NW, Grobbelaar AO. Long-term prospective follow-up of botulinum toxin treatment for facial
rhytides.
Aesthetic Plast Surg 2002;26(5):356-369.
17. Semchyshyn N, Sengelmann RD. Botulinum toxin A treatment of perioral rhytides.
Dermatol Surg
2003;29(5):490-495.
18. Brandt FS, Boker A. Botulinum toxin for the treatment of neck lines and neck bands.
Dermatol Clin
2004;22(2):159-166.
19. Karsai
et al. Botox and Dysport: Is there a dose conversion ratio in dermatology and aesthetic medicine? J
Am Acad Dermatol
2010: 62(2)346-347.
20. Wohlfarth K
et al. Dose equivalence of two commercial preparations of botulinum neurotoxin type A: time
for a reassessment?
Curr Med Res Opin 2009;25(7):1573-1584.
21. Wohlfarth K
et al. Biological activity of two botulinum toxin type A complexes (Dysport and Botox) in
volunteers: a double-blind, randomized, dose-ranging study.
J Neurol 2008;255(12):1932-1939.
22. Talarico-Filho et al. A Double-Blind, Randomized, Comparative Study of Two Type A Botulinum Toxins in
the Treatment of Primary Axillary Hyperhidrosis.
Dermatol Surg 2007 Jan;33:S44-50.
23. Grosse J
et al. Success of repeat detrusor injections of botulinum a toxin in patients with severe neurogenic
detrusor overactivity and incontinence.
Eur Urol 2005 May;47(5):653-659.
24. Marchetti A
et al. Retrospective Evaluation of the Dose of Dysport and BOTOX in the Management of
Cervical Dystonia and Blepharospasm: The REAL DOSE Study.
Movement Disorders 2005;20(8):937-944.
25. Hexsel D
et al. A randomized pilot study comparing the action halos of two commercial preparations of
botulinum toxin type A.
Dermatol Srg. 2008 Jan;34(1):52-59.

 

WhatsApp chat